Rede Cuca incentiva o esporte paralímpico

Rede Cuca incentiva o esporte paralímpico

O esporte e a inclusão social lado a lado. A frase pode até ser um clichê, mas tem funcionado bem assim na capital cearense. Por meio de modalidades esportivas disponibilizadas na Rede Cuca, a Prefeitura de Fortaleza tem buscado aprimorar a inserção de jovens com algum tipo de deficiência física, contribuindo para promover para a prática esportiva, mas também a inclusão social, a saúde integral e a autoestima dos atletas.

A Rede Cuca completou em 2021 sete anos de existência e de muito trabalho. Atualmente é formada por quatro equipamentos municipais localizados na Barra do Ceará, Jangurussu, Mondubim e José Walter. Todas contam com infra-estrutura física direcionada para inclusão e acessibilidade dos jovens. E atua também em outras frentes atendendo jovens com sonhos olímpicos e artísticos.

Sheldon Breno, de 29 anos, é atleta de natação paralímpica há oito anos. O esporte entrou na vida dele por indicação médica após ter sido diagnosticado, ainda criança, com displasia óssea, uma inflamação nas articulações que causam atrofia muscular. Aos 13 anos, Sheldon manifestou sintomas mais graves da doença, perdendo grande parte da mobilidade do corpo.

Há dois anos ele conheceu a Rede Cuca. Primeiro começou treinando no Cuca Barra e atualmente frequenta o Cuca José Walter, duas vezes por semana. Equipamentos onde ele pode atestar a acessibilidade e conferir o apoio dos professores.

“Sempre treinei em vários lugares, mas sempre desejei treinar no Cuca, pois sei que temos muitas oportunidades. Gosto muito da estrutura dos Cucas, pela acessibilidade. E o que preciso, os professores me auxiliam”, ressalta.

Atualmente, o jovem é campeão brasileiro universitário. Em São Paulo, nas Paralimpíadas Universitárias 2019, ficou entre os três melhores colocados, além de ter disputado várias regionais em Maceió, Recife, entre outros.

Modalidades paralímpicas

Atualmente a Rede Cuca disponibiliza oito modalidades esportivas paralímpicas: basquete, vôlei, tênis de mesa, triatlo, natação, judô, badminton e taekwondo. O acesso é gratuito. Todo mês a rede Cuca disponibiliza mais de seis mil oportunidades para cursos e práticas esportivas.

Falando em oportunidades, Sheldon foi bolsista do programa Bolsa Jovem, em 2020. “O Bolsa Jovem foi um divisor de águas pra mim. Foi muito melhor do que eu poderia imaginar, pois consegui comprar materiais, já que não tinha nenhum, e realizar meus treinos em casa, uma vez que foi tudo fechado por conta da pandemia. Também consegui investir na alimentação e suplementação. Essa com certeza foi a melhor bolsa que recebi até hoje”, avalia.

Estudante de marketing e gerente de uma pequena empresa de gráfica rápida, Sheldon mantém seus sonhos para o futuro visando às Paralimpíadas. “O ápice da minha vida seria, com toda certeza, participar de uma Paralimpíada. Quero construir uma carreira de sucesso no esporte”, diz.

O ano de 2021 marcou a melhor campanha do Brasil em Jogos Paralímpicos em toda a história. Nas Paralimpíadas 2020 no Japão (disputada em 2021 por causa da Pandemia do Coronavírus), o Brasil conquistou 72 medalhas, sendo 22 de ouro o que foi um recorde. 

Sobre o Bolsa Jovem

Neste ano o Bolsa Jovem beneficia três mil jovens em situação de vulnerabilidade na Capital, com idade entre 15 e 29 anos, para desenvolverem suas habilidades em diferentes áreas de interesse, por meio da concessão de bolsa durante um ano.

 

*Com informações da Prefeitura de Fortaleza

 

Abaixo você pode conferir o vídeo produzido pela Prefeitura de Fortaleza em comemoração ao sétimo aniversário da Rede Cuca na capital.